quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

#30 - NOCTURNO DE LISBOA, Eugénio de Andrade

Pela noite adiante, com a morte na algibeira,
cada homem procura um rio para dormir,
e com os pés na lua ou num grão de areia
enrola-se no sono que lhe quer fugir.

Cada sonho morre às mãos doutro sonho.
Dez-réis de amor foram gastos a esperar.
O céu que nos promete um anjo bêbado
é um colchão sujo num quinto andar.


Sem comentários:

Publicar um comentário