segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

#293 - BOCAGE (Pedro Tamen)

Já não sou. Já não serei
se fui. Agora à cova
além dos ossos e caroços
muito mais descerá.
O verso, o riso, o vinho,
a mão ladina sobre a carne morna,
tantas coisas sentidas, ressentidas,
intenções, bolandas, entreactos,
entradas por saídas, choros finos:
muito mais descerá.
 
Não sou, é certo, e não serei,
mas no descer de tudo
já nem fui.






quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

#292 - EPIGRAMA (Carlos Queirós)

O cego deu à manivela
Da velha e triste pianola,
Que era a alegria da vila;
Mas já ninguém vem à janela.
-- Pois, vindo, davam-lhe esmola...
E, ocultos, podem ouvi-la.


segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

#291 - VEJAM BEM (José Afonso)

Vejam bem
Que não há
Só gaivotas
Em terra
Quando um homem
Se põe
A pensar

Quem lá vem
Dorme à noite
Ao relento
Na areia
Dorme à noite
Ao relento do mar

E se houver
Uma praça
De gente
Madura
E uma estátua
De febre
A arder

Anda alguém
Pela noite
De breu
À procura
E não há
Quem lhe queira
Valer

Vejam bem
Daquele homem
A fraca
Figura
Desbravando
Os caminhos
Do pão

E se houver
Uma praça
De gente
Madura
Ninguém vem
Levantá-lo
Do chão

Vejam bem
Que não há
Só gaivotas
Em terra
Quando um homem
Se põe
A pensar

















quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

#290 - OUVE, MEU CÃO (Maximiano Gonçalves)

Ouve, meu cão,
Que há tanto tempo vejo
No teu certo dia a dia:
Uma coisa queria saber,
Tão fundo que pensasse
Que a sabia.
Como foi conseguido
Seres assim tão perfeito?
Como podes não falhar,
Mesmo a gente falha e sem jeito
E a gente que falta tanto,
Não faltar?



quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

#289 - "no ano em que eu era comido pelo escorbuto" (Fernando Assis Pacheco)

no ano em que eu era comido pelo escorbuto
chegavam as tuas enviadas com limões de oiro

tu própria ias dessedentando a boca da viola
para salvar-me o canto

eis a ditosa amada, escrevi então
minha pátria



quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

#288 - TRADIÇÃO (Rui Knopfli)

Palavras, substância, ideia,
persistentes e danosos vermes
da memória, em várias chamas
variamente ardendo, com sôfrega
raiva vos devoro.

                          Em vós
mudado, de vós moldarei,
porque minhas, palavras
outras e únicas.
                          Louco

ou iluminado, a baba
incandescente tombar-me-á
incólume nos lábios febris,
ouro e sangue, sangue e ouro.
Artífice elusivo do sonho,

cinábrio do torvelinho e da noite,
tal poder pode mais em mim
do que eu poder posso.
Instrumento, embora, querer
tê-lo-ei querido.

                            Mas querer
quis mais que eu.
                            E o que terei
querido, quer em mim
e seu poder é cumpri-lo.






terça-feira, 11 de abril de 2017

#287 - CASCAIS (Almeida Garrett)

Acabava ali a Terra
Nos derradeiros rochedos,
A deserta árida serra
Por entre os negros penedos
Só deixa viver mesquinho
Triste pinheiro maninho.
 
E os ventos despregados
Sopravam rijos na rama,
E os céus turvos, anuviados,
O mar que incessante brama
Tudo ali era braveza
De selvagem natureza.
 
Aí, na quebra do monte,
Entre uns juncos mal medrados,
Seco o rio, seca a fonte,
Ervas e matos queimados,
Aí nessa bruta serra,
Aí foi um Céu na Terra.
 
Ali sós no mundo, sós,
Santo Deus!, como vivemos!
Como éramos tudo nós
E de nada mais soubemos!
Como nos folgava a vida
De tudo o mais esquecida!
 
Que longos beijos sem fim,
Que falar dos olhos mudo!
Como ela vivia em mim,
Como eu tinha nela tudo,
Minha alma em sua razão,
Meu sangue em seu coração!
 
Os anjos aqueles dias
Contaram na eternidade:
Que essas horas fugidias,
Séculos na intensidade,
Por milénios marca Deus
Quando as dá aos que são seus.
 
Ai!, sim! foi a tragos largos,
Longos, fundos que a bebi
Do prazer a taça – amargos
Depois... depois os senti
Os travos que ela deixou...
Mas como eu ninguém gozou.
 
Ninguém: que é preciso amar
Como eu amei – ser amado
Como eu fui; dar, e tomar
Do outro ser a que se há dado,
Toda a razão, toda a vida
Que em nós se anula perdida.
 
Ai, ai!, que pesados anos
Tardios depois vieram!
Oh!, que fatais desenganos,
Ramo a ramo, a desfizeram
A minha choça na serra,
 
Lá onde de acaba a Terra!
Se o visse... não quero vê-lo
Aquele sítio encantado.
Certo estou não conhecê-lo,
Tão outro estará mudado,
Mudado como eu, como ela,
Que a vejo sem conhecê-la!
 
Inda ali acaba a Terra,
Mas já o céu não começa;
Que aquela visão da serra
Sumiu-se na treva espessa,
E deixou nua a bruteza
Dessa agreste natureza.