quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

#265 - SOLO DE VIOLINO (Olavo d'Eça Leal)

Se acordo e relembro o que sonho,
Maria, não saias daqui!
-- Que monstro barbudo e bisonho
Em sonhos medonhos eu vi!
Às vezes não lembro o que sonho...

A lua fugia do barco
E o barco roçava um salgueiro...
Eu chorei e os sapos do charco
Gritaram! E eu vi o barqueiro
À lua, caindo do barco...

A água gemia harmonia
E o barco seguia sem rumo;
À proa, de pedras par'cia
Meu corpo de lívido aprumo.

..................................................

Às vezes não lembro o que sonho.
Se lembro... não saias, Maria!
Sòzinho parece medonho
Meu sonho de barco sem rumo.





quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

#264 - O INTERVALO (Carlos Queirós)

Sem palavras, sem gestos, sem um esforço,
Que a vida, francamente, nos mereça,
Quantas vezes pendemos a cabeça
E os braços, como ao peso dum remorso!

Interrogamos a memória -- e ela
Finge que nada sabe; a consciência,
Também nada nos diz. Feliz ausência!
-- Contudo, o tempo está de sentinela.

Como ovelhas perdidas na montanha,
Que não ouvissem do pastor a avena.
Cismamos em que nada vale a pena...
E esperamos que o novo dia venha.


terça-feira, 10 de janeiro de 2017

#263 - INCONSTÂNCIA (Alexandre de Córdova)

A Aquilino Ribeiro

Tenho, às vezes, vontade de deixar-te.
E tenho, às vezes, medo de perder-te.
Não sei, às vezes, se hei-de abandonar-te,
Não sei, às vezes, se hei-de mais prender-te.

Por mais que queira, às vezes, esquecer-te,
Por mais que entenda, às vezes, ignorar-te,
Sinto o desejo enorme só de ter-te
Junto de mim na ânsia de abraçar-te.

Por mais que feche os olhos p'ra não ver-te
Ainda te encontro mais por toda a parte,
Tenha embora vontade de esconder-te.

Vivo nesta tortura de buscar-te,
Nesta inconstância atroz de não querer-te,
-- Meu fugidio sonho da minha Arte.






domingo, 8 de janeiro de 2017

#262 - OS EUNUCOS (José Afonso)

Os eunucos devoram-se a si mesmos
Não mudam de uniforme, são venais
E quando os mais são feitos de torresmos
Defendem os tiranos contra os pais

Em tudo são verdugos mais ou menos
Nos jardins dos haréns ou principais
E quando os pais são feitos em torresmos
Não matam os tiranos pedem mais

Suportam toda a dor na calmaria
Da olímpica mansão dos samurais
Havia um dono a mais da satrapia
Mas foi lançado à cova dos chacais

Em vénias malabares, à luz do dia
Lambuzam de saliva os maiorais
E quando os mais são feitos em fatias
Não matam os tiranos, pedem mais

















quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

#261 - TARDE DE INVERNO (Fausto José)

Sobre o planalto adormecido
Num frio leito de inverno,
Agasalhado de brumas,
Um Sol terno,
Distraído...

De longe, a montanha sombria
Exala uma aragem fria.

Cheira a serra,
A terra,
Morta...

Mas com seu odor mais forte,
Ao apelo do vento norte
Responde
A minha melancolia...


Numa colina humilhada
De chuva, de ventanias,
Crucificado num céu dorido,
Surge um pastor como um vencido.
        Em fila, atrás,
Vem o rebanho humílimo balindo;
        Traz nos olhos a paz,
        A paz grave da serra;
E entre os dorsos compactos, de lã fina,
Paira a sombra primeira aventurosa,
O alvoroço da noite misteriosa,
        O pranto da neblina!...



quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

#260 - RETRATO DE PABLO, VELHO (Claudia Roquette-Pinto)

da sombra seu rosto se lança
um peixe
uma lua africana
boiando à superfície gasta e gris
a calva não dava um aviso
dos olhos vivos
de água, vivos
que engendram antes de ver
a testa de touro tem brio
empurra um nariz repartido:
uma face enfrenta,
a outra subtrai
o resto são rugas e ricto
papiro
e o som de cascos ancestrais



segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

#259 - DA QUIETAÇÃO (Frei Agostinho da Cruz)

Dos males, que passei no povoado,
Fugi para esta Serra erma e deserta,
Vendo que quem servir seu Deus acerta,
Certo tem tudo o mais ter acertado.

E para mais pureza ser forçado
Mostrar a paciência descoberta,
Que quando o tentador se desconcerta,
O paciente fica concertado.

Passou a furiosa tempestade,
Ouve-se a voz da rola em nossa terra,
Soando com maior suavidade.

Cobriu-se d'alvas flores toda a Serra,
A minha alma de doce saudade,
Em paz me faz amor divina guerra.